segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Bom é na infância...



Bom é ser viver na infância, onde a gente tapa o olho e acha que sumiu das vistas do mundo.
Onde a gente pode chorar sem vergonha.
Onde não pode mentir que fica de castigo.
Onde o primeiro amor é só um sorriso.
Onde a brincadeira tem graça, o palhaço tem nariz vermelho e a maldade passa longe.
Bom é na infância, quando gente é centro das atenções de forma inocente.
Quando a vida parece estar tão longe de acabar que a gente nem sabe o que é morrer.
Bom é lambuzar o picolé na roupa nova.
É cair e levantar uma vez por dia e sentir doer só no corpo.
É dormir de farda depois do almoço.
É pintar tudo errado e fora do traçado do desenho.
É não saber quanto a sua mãe gasta com você por mês.
É não ter contas, nem fazer contas.
Bom é na infância, que a alma apesar de frágil, é fácil e perdoa. Não tem marcas, nem medos, nem antigas histórias que insistem zumbir no seu ouvido.

Do Mestre Vinícius:

"Porque o samba é a tristeza que balança
E a tristeza tem sempre uma esperança
A tristeza tem sempre uma esperança
De um dia não ser mais triste não..."


3 comentários:

Pompéia Carvalho disse...

A parte do não ter que se preocupar com as contas foi ótima.
Concordo plenamente... É pena que, qdo crianças, queremos crescer... E então crescemos e queremos voltar a ser criança... risos...
Beijos.

Jéssica Lieko disse...

Bom é na infância, onde os contos de fadas são verdadeiros e os filmes de ação não tem espaço. Te amo!

Ah... disse...

Muito verdadeiro, tudo isso.
=)