quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Pinóquio


Oh, Céus! Todo dia tenho crises por ser eternamente dependente das palavras escritas. Não adianta, numa folha em branco eu me sinto em casa, discorro sobre coisas que até Deus duvida. Eu consigo até falar de mim! Deve ser por isso que escrevo textos muito descritivos e pessoais. Eu me descubro quando me transcrevo. Ou quem sabe eu me invento. O que é que custa? De repente uma das minhas invenções ganha vida, num foi assim com o tal Gepeto quando criou o Pinóquio? Eu faço a minha terapia. Eu sou a minha terapeuta. Isso por que eu tenho dificuldade (talvez quase um bloqueio) de falar o que há lá longe, no meu eu mais fundo. Já percebi que as pessoas não me compreendem e que me confundem ainda mais com “aquela velha opinião formada sobre tudo”. Eu já falei várias vezes sobre o que me desconserta e sobre o quanto eu sou atrapalhada. Talvez o bate papo presencial piore isso em um grau avançadíssimo.
Voltando ao Pinóquio, essa coisa de se inventar na vida dá super certo. Pinte o cabelo, mude a cor da unha, faça novos amigos, abandone a faculdade e comece a fazer Design de Interiores. E daí que sua mãe acha que isso é hobby? Sou Publicitária, tenho 23 anos e mudei de cidade quando deu na telha. Ainda não descobri se fiz a coisa certa. Mas se não for eu invento que foi e eu mesma me consolo depois, sou ótima nisso! Reinvento-me sempre. Pra te mostrar o melhor e o pior de mim. Meus desejos e minhas loucuras. Ah, se você fizesse idéia do que eu sou capaz! Não tenho medo, eu apenas não descobri ainda o que você merece de verdade.

Hoje a insônia das 4h:59min da manhã me pediu um texto e eu não tinha pauta, perdoe-me a falta de lógica.

Um comentário:

Pompéia Carvalho disse...

Adoro os seus textos...
Que nunca falte folha em branco na história da sua vida... Elas, qdo preenchidas, inspiram muita gente.

Beijos.

P.S. Sou amiga da sua mãe. Por isso a ousadia de te seguir e comentar no seu blog. rs...